A pandemia, o futebol, a quarentena e as atividades físicas… nesse período com os campeonatos pelo mundo paralisados, os clubes trabalham para que os atletas se mantenham em atividade, mesmo em casa. Por outro lado, os torcedores que trabalham em home office e que cumprem a quarentena, também necessitam de atividade física e de uma boa alimentação.

No atleta, a busca por resultados são necessários, mas nesse período esbarram em algumas dificuldades, de acordo com o preparador físico do Paysandu, André Ferreira, que elaborou uma série de atividades com os atletas para serem desempenhadas neste período de quarentena, já que o clube não liberou os atletas para férias.

“É totalmente diferente o atleta treinar no clube e treinar sozinho, muda muito e ressalto alguns aspectos: motivação, ambiente de trabalho, adaptação do treino, intensidade, além do controle de carga”, disse.

No lado do Remo, através do departamento médico e o preparador físico, até foi iniciado um protocolo de exercícios para iniciar a quarentena, mas o clube acabou liberando os jogadores para o período de férias as coisas mudaram de rumo, como explicou o Rony Silva, preparador físico azulino.

“Até iniciamos com os atletas, mas dias depois eles entraram de férias e assim não podemos passar nenhuma atividade obrigatória. A estratégia então passou a ser a orientação para que os jogadores realizem atividade física na medida do possível”, falou.

 

EM CASA

E os torcedores, pessoas que não são atletas, como fica? A equipe de O Liberal conversou com o preparador físico Antônio Júnior, que citou pontos importantes para quem está cumprindo a quarentena.

 

ALIMENTAÇÃO

Com uma rotina mais leve, o controle da alimentação é um ponto fundamental. Antônio Júnior comentou e pediu um equilíbrio neste momento de pandemia, já que o gasto de energia geralmente é menor.

“Nesse momento de isolamento é muito importante ter um controle, a rotina muda e isso é complicado. O ideal é equilibrar proteínas, carboidratos e legumes, já que nem tudo que for ingerido será transformado em energia para gastar, pois estamos em casa”, comentou.

 

TEMPO DE ATIVIDADE

Quem está em casa nesse período é necessário se exercitar. Cada pessoa reage de uma forma e possui seus limites, o ideal é ter pelo menos 20 minutos de atividade física diárias. Antônio Júnior, que trabalha dando aulas pela internet, frisou que é preciso planejamento para ter efeitos positivos.

“A pessoa passa pela fase de evolução e adaptação do corpo e isso pode variar entre 20 e 60 min. O ideal é se exercitar e que cada treino tenha um planejamento mínimo para evitar lesões. Um  dia de treino a cada seis dias e para quem está iniciando e depois a carga vai aumentando e aí, com a ajuda de um profissional, realizando a organização de descanso para o corpo. Copiar lives de maneira não orientada, pode estímulos não apropriados ao corpo”, frisou.

 

QUALIDADE DE VIDA

Quantas vezes na semana? Quantos minutos? Todos os dias? São questionamentos comuns nesse momento de isolamento social. Antônio Júnior relata a importância da atividade física para o bem do corpo e da mente.

“O treinamento consegue gerar mudanças no estado neural do corpo, mudanças positivas para a circulação sanguínea, coração, força, adaptação muscular. A partir do momento que praticamos exercícios de forma correta. Exercícios sem prescrições pode ser perigoso e é necessário ter um profissional orientando as atividades, pois cada um reage de uma forma.

 

DICAS DE EXERCÍCIOS EM CASA

Para aquelas pessoas eu não possuem materiais em casa a dica é praticar fortalecimento musculares que envolvem o centro do corpo, como o abdômen. Veja abaixo sugestões de alguns exercícios:

– Subir e descer escadas;

– Sentar e levantar de uma cadeira;

– Alongamentos;

– Exercícios funcionais como polichinelo, agachamento e abdominal;

– Materiais alternativos como toalha para auxiliar em um alongamento, sacos de arroz ou garrafas de água e cadeiras para auxiliar em um agachamento.

 

Fonte:O Liberal
Foto: Fábio Will