O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), voltou ontem a fazer duras críticas ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), a respeito do combate à pandemia do novo coronavírus. Segundo Virgílio, Bolsonaro não dá atenção aos povos indígenas da Amazônia.

“Temo um genocídio no nosso Amazonas, porque temos um presidente que não liga para os povos indígenas e não valoriza essa cultura. Quero denunciar esse crime contra a humanidade que acontece na minha região”, afirmou o prefeito manauara.

“Nós temos visto uma série de ataques que são apadrinhados pelo governo federal. Ataques a terras indígenas, invasões, prestigiamento a garimpeiros (…), e tudo isso pelo preconceito que eu sinto que nosso presidente tem com os índios”, declarou também.

Segundo dados reunidos pelo governo do Amazonas até as 10h de ontem, o estado já contabilizou 25.367 casos da covid-19, com 19.734 pacientes recuperados e 1.620 óbitos. A preocupação de Arthur Virgílio é não apenas os pacientes de Manaus, mas os que vêm de cidades do interior em busca de tratamento na capital.

“Nós estamos vendo o genocídio de índios. Cada dia é maior e mais alarmante o número de índios mortos. E Manaus estava tranquila, com 53 mortes – a média da média das mortes em Manaus antes da pandemia era de 28 mortes -, (mas lida) com a chegada de pessoas do interior que não têm como se tratar, porque o interior foi abandonado”, afirmou o prefeito.

 

Médicos cubanos

Em seus vídeos, Arthur Virgílio ainda elogiou o programa Mais Médicos, lançado pela ex-presidente Dilma Rousseff em 2013. Em 2019, após críticas de Bolsonaro a médicos cubanos atuando no país, o programa foi substituído pelo Médicos pelo Brasil.

“Fizeram aquela tolice de expulsar os médicos cubanos, uma tolice inominável. Eles são muito bons – não em alta e média complexidade, mas são muito bons na ação primária de saúde, e isso faz muita falta aos municípios”, analisou o prefeito.

 

Fonte: UOL
Foto: Divulgação