Sem contrato com a Globo, mas prestes a estrear uma série pela Netflix e no ar pelo Canal Viva com uma reprise de Mulheres Apaixonadas, Bruna Marquezine concedeu uma entrevista em que falou sobre um tema tabu para os brasileiros: depressão. A atriz revelou que faz terapia há alguns anos e que com o passar do tempo entendeu o processo da doença que atinge milhões de pessoas pelo mundo. Crescer diante da mídia e ser procurado por uma imagem perfeita pode ter afetado a saúde mental da estrela.

Ao jornal O Globo, Bruna falou sobre a forma com foi “apresentada” à doença: “Minha primeira terapeuta me disse uma coisa que me marcou muito. Ela observou que a depressão é uma porta numa parede que, até então, você via completamente branca . Era uma parede, sem nada. Uma vez que você identifica que está com um quadro depressivo, você começa a enxergar essa porta, você pode até sair desse lugar, mas você nunca mais vai ver uma parede totalmente branca. lá. No primeiro momento, isso me destruiu! Poxa, eu preferia ver a parede branca pelo resto da vida! “.

Ao veículo, Marquezine lamentou que a depressão ainda seja tratada um tema tabu e que não é debatida com seriedade: “Após muitas sessões de terapia, trocar de profissional, de crescimento, de aprender e viver, eu mudei a minha opinião. Hoje, não penso mais assim. Acho bom ver a porta “. A atriz revelou que prefere tratar a depressão de forma clara: ” Tem gente que não liga se ela desapareceu. Eu prefiro ter ela no meu campo de visão do que não saber onde ela está ! É melhor saber o que você pode fazer a respeito, do que você ignorar e viver apreensivo porque a qualquer hora pode ser pego de surpresa “.

Um dos fatores que podem ter levado Bruna a desenvolver depressão é a cobrança que ela carrega desde pequena por ser atriz: “Cresci diante dos olhos do público, isso me fez criar uma consciência muito grande sobre o olhar do outro. Estou sempre atenta ao olhar do outro, além da minha observação que é extremamente crítica ”. Sobre os diariamente que recebe diariamente nas redes sociais ela foi enfática e que toda essa cobrança gera ansiedade: “Eu brinco quando digo que não tenho hater meu que consiga competir comigo mesma! Eu sou pior! Tenho uma consciência muito grande do olhar do outro. O que pode estar passando pela cabeça do outro, o que o outro está vendo, o que o outro está interpretando … isso tudo é um peso, que gera uma ansiedade … ”.

Além da ansiedade, a atriz falou sobre insegurança: “Já tenho essa tendência de flertar com lugar que é obscuro. Se não tenho a consciência de onde ele começa, quais são os limites, quando estou flertando demais com esse lugar, não tenho como prevenir isso, que é o mais importante. Esse é um assunto que está sempre em pauta na minha terapia. Essa insegurança, essa ansiedade alcança todas as áreas da sua vida. Eu falo sobre isso porque vejo que é algo comum, que o mundo está vivendo, mas que estamos começando a ter coragem de falar isso agora. Muitos ainda têm vergonha. Eu cosmicoi a trabalhar numa época na qual me ensinaram que o certo era construir uma imagem perfeita. Por muito tempo, eu ouvi isso. E eu via isso ”.

Fonte: UOL
Foto: Reprodução/TV Globo