O folclore junino é tema da exposição “Junho, bendito seja!”, que abre nesta quarta-feira, 16, na Galeria Fidanza, do Museu de Arte Sacra (MAS). A mostra reúne fotografias de vários autores sobre as festividades típicas de Belém e do interior do estado, o grafismo do artista visual de São Caetano de Odivelas And Santos, adereços do Arrastão do Pavulagem e vídeos do acervo do Museu da Imagem e do Som (MIS). A vernissage acontece às 19 horas. A programação integra o calendário do Preamar Junino do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult).

A exposição “Junho, bendito seja!” ficará aberta à visitação pública sempre de terça a domingo, das 9 às 17 horas, até o dia 30 de julho. A curadoria é de Emanuel Franco, diretor MAS, e de Dayseane Ferraz, pesquisadora do Sistema Integrado de Museus e Memoriais (SIMM) da Secult.

Uma das artistas convidadas para a mostra, a professora universitária Cristina Carvalho, teve quatro fotografias autorais selecionadas para a mostra. “Todas as minhas imagens se reportam ao mês de junho: duas são de (dançarinos) carimbó em Salvaterra (no Marajó), sendo uma de um grupo de crianças e outra de uma dançarina sozinha; também fiz de boizinhos de miriti sendo vendidos no Arrastão do Pavulagem (em Belém); e as bandeirinhas azuis contrastando com o céu de Tracuateua”, descreve. “Não vivo da fotografia, mas me dedico muito a ela”, conta Cristina, que já participou de outras exposições.

Já o fotógrafo profissional Manuel Siqueira, que se especializou na cobertura de eventos sociais, é outro convidado da exposição. Ele teve selecionadas duas fotografias sobre a tradição dos mascarados do município de São Caetano de Odivelas, no Nordeste Paraense. “As imagens dos brincantes com as máscaras coloridas já te transportam para aquele lugar. Em uma das fotografias mostro uma criança mascarada demonstrando que desde cedo os pequeninos são introduzidos nessa cultura como forma de perpetuar a cultura local”, conta. “No meu trabalho autoral predomina as manifestações culturais”.

Outros artistas convidados são Déborah Elena, Deia Lima, Marcelo Vieira, Michel Pinho, Rafael Aguilera, Rosário Travassos e Wagner Santana.

Para Emanuel Franco, a mostra representa a dualidade entre os eventos religiosos e os festejos juninos: “Uma é a questão religiosa, a devoção pelos santos deste mês, em especial, Santo Antônio, São João, São Pedro e São Marçal. A outra, são as festas populares, ou seja, quadrilhas, cortejos de pássaros, bois-bumbás e outras crendices tão peculiares nessa época”.

“A seleção foi feita primeiramente em peças do próprio acervo, que está sob a guarda do MAS e de outros museus do SIMM. Depois, foram incluídas obras de artistas paraenses sobre o tema e, por fim, acrescentamos registros audiovisuais que retratam a tradição pelo Pará”, conta Dayseane. “Nela (na exposição), as peças barrocas estarão em diálogo com registros da arte contemporânea e do fazer popular”, afirma a curadora.

 

 

Fonte: O Liberal
Foto: Reprodução